©2019 BY ATELIER LAB.

 

ESPAÇO DE HUMANIZAÇÃO MENINO ÂNGELO

INSTITUTO DA CRIANÇA | HOSPITAL DAS CLÍNICAS - USP

  • Cliente: Instituto da Criança | Fundação Criança


Equipe Técnica:

Consultoria de Sustentabilidade: Atelier LAB

  • Coordenação: Arq. Luciana A. Braga

  • Colaboradores: Arq. Henrique Benites / Arq. Mauro Paradella

  • Simulações: Arq. Rodrigo Dias;​

​Arquitetura: Luciani e Associados Arquitetura 

Paisagismo: MPS Associados

Estrutura: Engebiz Engenharia

Elétrica e Hidráulica: CZN Engenharia

Mecânica: Termocop Engenharia

Consultoria Acústica: Tema Arquitetura

Comunicação Visual: Umbigo do Mundo

  • Área: 830m²

  • Localização: São Paulo, SP, Brasil

  • Status: Certificado Etapas Pré-Projeto e Projeto

  • Ano: 2018 

 
 

UM ESPAÇO HUMANIZADO E SUSTENTÁVEL

"O projeto de um Espaço de Humanização para o Instituto da Criança e do Adolescente  - ICr, surgiu da necessidade mútua dos pacientes, familiares, médicos, funcionários e voluntários, os quais convivem diariamente com a dura realidade do tratamento de doenças raras e crônicas no local. 


O ICr é um hospital de alta complexidade, sua infraestrutura técnica e os procedimentos médicos realizados são comparáveis aos melhores hospitais do mundo, sendo uma referência nacional e internacional. Ao longo dos quarenta anos de existência cresceu até o limite de sua capacidade física assim, apesar dos esforços e ações de humanização presentes, há a falta de espaços de convívio, reflexão e até mesmo de descontração no ICr.


Crianças são sempre maravilhosas, mesmo em difíceis situações, sonham! E assim, do singelo desejo de empinar uma pipa, de um menino internado há meses aguardando um transplante, que uma enfermeira não mediu esforços e o sonho virou realidade. Construíram juntos a pipa, ele animadamente ensinando a enfermeira, mas onde empiná-la? A descoberta da cobertura vazia, no edifício anexo, sobre o andar onde estão as Unidades de Terapia Intensiva, foi algo mágico. A felicidade de seu feito de menino, contagiava as demais crianças internadas. Infelizmente a gravidade de seu caso não permitiu que ele voltasse para casa. Mas, a alegria do Menino Ângelo passou a ser fonte de inspiração para que nesta cobertura outras crianças e jovens possam realizar seus sonhos. 


No topo deste edifício existente, onde o céu é mais azul e a brisa fresca renova as esperanças busca-se construir um espaço de convívio, onde experiências lúdicas, artísticas, educacionais e até mesmo de meditação e introspecção, possam contribuir no restabelecimento da saúde, no seu sentido mais amplo. 
Um espaço para todos e por todos que interagem neste hospital que realiza 18.000 atendimentos/mês e, é motivo de paixão e orgulho de todos." (Arq. Mirtes Luciani)

Contando com a consultoria da Atelier LAB desde o início do processo de certificação, o projeto foi certificado pela Fundação Vanzolini nas etapas Pré-Projeto e Projeto, e recebeu uma das melhores notas da certificação, tendo como nível global da Qualidade Ambiental o HQE Excepcional. 

As estratégias de sustentabilidade se desenvolvem ao longo de 14 temas/categorias, das quais 9 tiveram a nota máxima - Melhores Práticas - alcançada pelo projeto. Os temas enfocados são:

1 - Edifício e seu entorno

2 - Materiais e processos construtivos

3 - Canteiro de obras

4 - Energia

5 - Água

6 - Resíduos

7 - Manutenção

8 - Conforto higrotérmico

9 - Conforto acústico

10 - Conforto visual

11 - Conforto olfativo

12 - Qualidade dos ambientes

13 - Qualidade do ar

14 - Qualidade da água


DESTAQUES:

O primeiro ponto que destacamos é a questão social por tras de um projeto que adota práticas internacionais de humanização de espaços hospitalares, em especial, para crianças, possibilitando um espaço de recreação em um hospital, que é algo totalmente inovador no Brasil, além de aproveitar esta oportunidade para requalificar uma área construída em desuso. 

Além de proporcionar um espaço de convivência agradável para pacientes e funcionários, o projeto é proposto com uma integração paisagística que propicia a criação de uma praça elevada sobre o edifício, através de um grande telhado verde na cobertura. Assim, o projeto gera benefícios não apenas para a microescala do edifício, como também para a macroescala da cidade, uma vez que traz infraestrutura verde para uma área densamente construída da cidade, e em um terreno altamente impermeabilizado. 

Além disso, o telhado verde foi pensado sob a ótica da diversidade de espécies e tratamentos, auxiliando não só na melhoria do isolamento térmico da construção e benefícios em termos de redução do efeito ilha de calor, como também na melhoria da qualidade do ar, atração de avifauna, absorção e retenção de carbono, além dos diversos outros serviços ecossistêmicos associados.

A solução técnica adotada na cobertura vegetada também visa que a cobertura se transforme em um reservatório de retenção de água da chuva permitindo a captação para aproveitamento em usos não potáveis como irrigação e limpeza de pisos. Adicionalmente, também estão previstos reservatórios modulares conectados ao telhado espalhados pelos espaços do projeto como medida educativa.  

Foram adotadas estratégias passivas para minimizar a demanda de energia, além do uso de energias renováveis para geração de energia (painéis fotovoltaicos no beiral) e aquecimento de água (placas solares). 

Para garantir a qualidade do ar foram previstos sistemas de ventilação mecânica complementares a ventilação natural, cuja vazão de ar será modulada em função das taxas de CO2, além de uma busca constante por materiais menos poluentes, como produtos de acabamento de baixo conteúdo de COVs.


FOCO NO CONFORTO DOS USUÁRIOS:

Conforto Térmico:
A estratégia de conforto térmico através de ventilação natural foi validada por uma simulação termoenergética, através do método determinado pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE).
Combinando a concepção bioclimática do edifício, o uso de ventilação cruzada e proteções solares móveis, projetadas para serem movimentadas em caso de desconforto térmico ou visual, o projeto garantirá que pelo menos em 80% das horas ocupadas, os usuários terão níveis de conforto térmico assegurado de forma natural.

Conforto Visual:
Também foi validada a estratégia de conforto visual através de uma simulação de iluminação natural, onde demonstrou-se o atendimento aos níveis de Fator de Luz Diurna exigidos pelo referencial AQUA-HQE , conforme metodologia determinada pela NBR ABNT 15215. 


Conforto Acústico:
O projeto contou com uma consultoria de acústica (Tema Arquitetura) desde o inicio de sua concepção, para validar o desempenho acústico dos elementos construtivos e propor soluções para garantir os níveis de conforto para as atividades do edifício. Assim as vedações internas e externas foram projetadas com elementos de isolamento acústico, e os pisos tanto do pavimento principal quanto da cobertura foram projetados para atenuar principalmente os ruídos de impacto.